sexta-feira, 26 de junho de 2009

Dança Contemporânea

A melhor entrega, é ser por inteiro em cada detalhe de espaço, a expressão dos sentidos se extrapolam mesmo nos pequenos detalhes, eles se tornam grandiosos...e o corpo simplesmente brinca com ele mesmo e com o tempo...
SMOKE
Interpretação: Sylvie Guillem e Niklas Ek
Coreografia: Mats Ek
Música: Arvo Pärt

sábado, 20 de junho de 2009

Um pouco de Body Art

O artista coreano Kim Joon usa-se do corpo como meio para criação artística, brincando com suas formas. Kim se transformou em um único arquivo para produzir diferentes tipos de arte, em larga escala a partir de fotos digitais para vídeo instalação. Através destas obras Kim subjacente apresenta uma pergunta sobre "tatuagem social" que existe como figura invisível. Suas obras são principalmente sociais tatuagem sobre as suas experiências e criações em um nível cultural, transformando, adaptando, e mistura de diferentes elementos da cultura.


"Estou interessado em tatuagem como uma metáfora para o desejo oculto ou uma
espécie de compulsão gravado em consciência humana. Vejo a pele, ou, em alguns
casos, o monitor, como uma extensão de uma lona. Minha tatuagem pinturas
anteriores foram 3 dimensional telas em a forma de cubos de carne ou de partes
de um corpo, como um braço muscular. tatuagens podem reflectir a realidade
individual e coletiva ou deslocadas desejo. "

Kim Joon





Estado de emergência


Por Mariana Tatos

À uma necessidade urgente de revitalização da linguagem, de modo que ela se torne um instrumento objetivo de criação, pois a língua é social e é pela cooperação que a cultura se desenvolve. A sociedade urbana brasileira vive num sistema compelido ao excesso de informação, poluição sonora ,visual e presa ao mercado do produto, consumo e da estética que o capitalismo impõe, que acaba por influenciar na educação. Ao longo dos anos, houve um forte aumento das indústrias nos centros urbanos, o que vem acarretar uma demanda populacional maior nas cidades. Na década de 60, foi implantado no país um modelo econômico que veio atender os principalmente os interesses das elites, onde se direcionou os investimentos públicos para grandes obras de infra-estrutura, financiadas através de empréstimos exteriores, que ocasionou um brutal endividamento do país, prejudicando então o investimento nos setores sociais.
Dentro deste quadro o que vejamos hoje, são jovens insatisfeitos, ansiosos, que perderam a vontade de aprender, e educadores estressados e despreparados para inovarem suas formas de linguagens.
Temos um Estado que passou a ser um aparelho político a serviço do econômico e, em conseqüência, a educação um modo de servir o ideal capitalista, devido à uma crise educacional brasileira. E esta é toda encoberta pela grande mídia brasileira, deixando a maioria da população dopada a realidade pública nacional.
Quem sabe um dia esta nossa realidade mude....

Para você...



Das simples conversas informais surge um encontro...
Uma hora marcada, uma estação de metrô... meus pulsos se aceleram freneticamente a sua espera, meus pensamentos libertiniosos, soltos... será que as nossas energias se combinarão? Será que gostará de mim? Gostará do meu perfume? Do meu jeito de ser? Será que eu gostarei dele?...(Arre!! respira fundo menina, calma....isso, continue assim, mantenha a mente tranqüila...) Bom, cheguei cinco minutos antes, só aguardar...

De repente uma estrela aparece... luzindo toda a minha curtis, e aquecendo o meu coração. Fico meio tímida e sem jeito de me expressar, mas uma coisa é certa, as nossas energias se combinam (eba! o mesmo universo...)

Roupas descontraídas, um boné, tênis, perfume, uma voz maravilhosamente agradável, papo contagiante e estimulante...ah...e o melhor de tudo, seu sorriso...

A rua em passos desconcertantes, o frio cortando a espinha...e...um singelo beijo, adolescente, doce, meigo, ardente....Papos descontraídos, despreendidos, linguagens na arte, e uma porta aberta a entrada ao Universo Paralelo....

Você me entorpece calando os meus sentidos, me aquecendo para não sentir mais frio, fazendo-me menina mulher em seus braços.
E assim, acabamos desencadeados ao tempo, a noite sendo nossa melhor amiga...
o amanhecer sendo sorridente, cúmplice a outrora de nós dois...(e tudo com direito a um café numa padaria de esquina)
E minhas mãos, não ficaram mais gélidas, ficaram sedosas com o seu toque extasiante...
e tudo do simples encontro se tornou apenas, gostoso...
O que eu mais gosto em vc...sua singularidade, seu sorriso maroto, sua simplicidade, sua particularidade ímpar.
Congela o teu sorriso com o meu, brinda comigo a dança descompassada da vida...Bagunça o meu cabelo com a ponta dos teus dedos, redesenha a minha boca com a ponta da tua língua...Faz-me tua todos os segundos intermináveis do tic tac do relógio...Deixa o teu corpo ser o meu corpo e o meu corpo ser o teu corpo até ser humanamente impossível resistir a delicia que é ser só nós dois...
Degusta-me

sábado, 13 de junho de 2009


Por Mariana Tatos

A bola caiu ,
o macaco fez suas rimas,
o poeta cantarolou a donzela,
o mocinho fez seus curativos,
o navio negreiro partiu pela manhã
a alma ficou aberta, começou a sair
dissipando pela janela da vizinha ao lado,
o Jogo se fez,
a picoca estorou na panela,
a macarronada ficou pronta,
o minguám também
e do suco ninguém fez,
o silêncio se transpareceu
no emaranhado de fios
de sede os lenhadores
permaneceu

Falando de Arte III


Por Mariana Tatos

O ensino da arte deve estar em consonância com a contemporaneidade. A sala de aula deve ser um espelho do atelier do artista ou do laboratório do cientista. Neles são desenvolvidas pesquisas, técnicas são criadas e recriadas, e o processo criador toma forma de maneira viva, dinâmica. A pesquisa e a construção do conhecimento é um valor tanto para o educador quanto para o educando, rompendo com a relação sujeito/objeto do ensino tradicional. Este processo poderá ser desafiador, delimitando-se do ponto de partida ao ponto de chegada, através da experimentação. E a melhor parte fica para a desgustação.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Por Mariana Tatos

Por oras às vezes me sinto assim... um eu que sai de mim e age pela impulsividade para atender somente as necessidades de um ego...outrora um "outro" como inseto parasitário que adoece a minha alma, e neste outro vem um lado que ama mas não sabe ao certo, se confundindo pela ebulição dos tempos, tomando como subterfúgio as sensações de um corpo ausente. Apenas quero ser deliciada....

"E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo.
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado,
tenho sido mais ridículo ainda"
Trecho de Linha Reta - Fernando Pessoa

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Divulgação


Um grupo de amigos artistas plásticos estarão expondo em Pinheiros e no próximo sabado será a abertura às 18h.

domingo, 7 de junho de 2009

Singelo

Esse vale a pena, linda animação...

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Impossibilidade de Amor Fati V


Mas uma semana se iniciando...

robôs estão por aí cumprindo seus devidos papeis...

e por aqui, está faltando chocolate na minha torrada...

"O homem procura um princípio em nome do qual possa desprezar o homem. Inventa outro mundo para poder caluniar e sujar este; de fato só capta o nada e faz desse nada um Deus, uma verdade, chamados a julgar e condenar esta existência."