sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Falando de arte...


Por Mariana Tatos

A arte sempre serviu como forma de expressão, onde através da espontaneidade são criadas diversas formas expressivas como na dança, teatro, plásticas, literatura, visuais e muitas outras dimensões de sentimento. É muito preocupante o seu uso de forma equivocada em muitas salas de aula, infelizmente muitos professores ao invés de serem mediadores da linguagem artística formulam e apresentam aos seus alunos "receitinhas de bolo" que acabam por repercutir desinteresse aos jovens pela linguagem artística, tornando-se adultos inespressivos, alienantes ao mundo social e de convívio. É preciso urgentemente uma atenção especial para reverter esse quadro, pois somente através da arte poderemos criar um olhar sério, crítico e construtivo e assim despertar consciência cultural, político-social no nossos pequeninos para amanhã viver num mundo mais honesto e humano. Abaixo segue uma historinha que circula por aí para uma reflexão de nossas ações.

"O MENININHO"

Era uma vez um menino. Ele era bastante pequeno.A escola era uma grande escola. Mas, quando o menininho descobriu que podia ir à sua sala, caminhando, através da porta, ele ficou feliz. E a escola não parecia mais tão grande quanto antes.

Uma manhã, quando o menininho estava na Escola, a professora disse:

* Hoje nós iremos fazer um desenho.
* Que bom! Pensou o menino. Ele gostava de fazer desenhos. Ele podia fazê-los de todos os tipos: leões, tigres, galinhas, vacas, barcos, trens; e ele pegou sua caixa de lápis e começou a desenhar. Mas a professora disse:
* Esperem! Ainda não é hora de começar. E ele esperou até que todos estivessem prontos.
* Agora - disse a professor - nós iremos desenhar flores.
* Que bom! Pensou o menininho. Ele gostava de desenhar flores. E começou a desenhar com seu lápis cor de rosa, laranja e azul. Mas a professora disse: - Esperem! Vou mostrar como fazer. E a flor era vermelha com caule verde.
* Assim - disse a professora. Agora vocês podem começar.

Então ele olhou para a sua flor. Ele gostava mais de sua flor, mas não podia dizer isto. Ele virou o papel e desenhou uma flor igual à da professora. Ela era vermelha com caule verde.

Num outro dia, quando o menininho estava em aula, ao ar livre, a professora disse:

* Hoje nós vamos fazer alguma coisa com barro.
* Que bom! Pensou o menininho. Ele gostava de barro.

Ele podia fazer todos os tipos de coisas com barro: elefante, camundongos, carros e caminhões. Ele começou a juntar e amassar a sua bola de barro. Mas a professora disse:

* Esperem! Não é hora de começar. E ele esperou até que todos estivessem prontos.
* Agora, disse a professora, nós iremos fazer um prato.
* Que bom! Pensou o menino. Ele gostava de fazer pratos de todas as formas e tamanhos. A professora disse:
* Esperem! Vou mostrar como se faz. E ela mostrou a todos como fazer um prato fundo. - Assim - disse a professora. - agora vocês podem começar.

O menininho olhou para o prato da professora. Então olhou para o seu próprio prato. Ele gostava mais de seu prato do que o da professora. Mas não podia dizer isso. Ele amassou o seu barro numa grande bola novamente, e fez um prato igual ao da professora. Era um prato fundo. E muito cedo, o menininho aprendeu a esperar e a olhar, e a fazer as coisas exatamente como a professora. E muito cedo, ele não fazia mais as coisas por si próprio.

Então aconteceu que o menino e sua família mudaram-se para outra casa, em outra cidade, e o menininho tinha que ir para outra escola. E no primeiro dia ele estava lá. A professora disse:

* Hoje nós faremos um desenho. Que bom! Pensou o menininho. E ele esperou que a professora dissesse o que fazer. Mas a professora não disse. Ela apenas andava na sala. Veio até ele e falou: - Você não quer desenhar? - Como posso fazê-lo perguntou o menininho.
* Da maneira que você gostar, disse a professora. - De que cor? Perguntou o menininho. - Se todo mundo fizer o mesmo desenho e usar as mesmas cores, como eu posso saber quem fez o que? E qual o desenho de cada um?
* Eu não sei ,disse o menininho. E ele começou a desenhar uma flor vermelha com caule verde.

3 comentários:

  1. Adorei o blogger!
    Muita luz.
    Parabéns.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  2. EU VI VC CONTANDO ESSA "HISTORINHA"...COMO SE ESTIVESSE DO MEU LADO...! ME LEMBROU TBM "ERA UMA VEZ>>> UMA MENINA MUITO, MUITO BOA... QUE TINHA UMA IRMÃ .. MUITO MUITO MUITOOO MÁ"... RSRSRS...

    BELO TEXTO LINDA, PARABENS PELA INICIATIVA... QUE INTENSIDADE E A CARGA DO EDUCADOR NÃO CAIA JAMAIS EM SUAS COSTAS COMO UM PESO... E QUE ESSE COMPROMISSO COM A SUA FORMAÇÃO E CONHECIMENTO SEJE LONGO>>> "VAMOS LEVANTAR A BANDEIRA SIM!" ARTE-EDUCADORES AVANTE!!!!
    BJOKA ..
    AMO VC! VC SABE!

    RIANO MARQUES

    ResponderExcluir
  3. Bootie - A shoe that has the babyliss hair dryer styling of a boot without the height, also called a shoe-boot or "shootie" By the middle of the cheap Asics Tiger seventeenth century France Cheap north face had become a beacon of style for Cheap TOD'S Shoes all of Europe to emulate. Franklin Marshall Hoodies The excesses of the north face down jacket baroque were Discount Asics Onitsuka Tiger Shoes indulged under Louis XIV, and the fashions and arts of France, Discount Moncler Online favoured by European nobility, spread throughout fashionable society. Suddenly Cheap Ugg Boots Sale there was an interest in high thin-heeled shoes, and by the 1760s English ladies <a

    ResponderExcluir